Acompanhe nossa postagens no Google

sábado, 10 de setembro de 2011

Evangélicos de Araguaína levam esperança aos dependentes químico da Feirinha


Em Araguaína todas as segundas-feiras,  a partir das 22:00 hs, um grupo de Jovens da Igreja  Videira percorre os becos da Feirinha, a cracolândia araguainense, para levar sopra e pregar a fé cristã  aos marginalizados pela sociedade. O projeto existe há três meses e os idealizadores afirmam que é um sucesso.
A reportagem Araguaína Gospel ressalta  que os voluntários servem os pratos de sopa para os drogados, prostitutas e alcoólatras.  “Enquanto isso, um grupo aproveita a descontração para conversar e emprestar seus ouvidos aos usuários da droga. E são nas conversas informais, que são descobertas muitas histórias de dores, decepções, perdas e desvios de conduta.”
A vida no mundo das drogas
Em conversa com a reportagem o jovem relata o drama do mundo das drogas  “eu fui viciado em crack por dois anos, fui internado em uma clínica de recuperação, mas não adiantou e voltei a consumir”, afirma P.H., assegurando que vendia objetos de sua própria casa para comprar drogas, ao ponto de vender até mesmo uma tábua de bater carne.
A volta por cima
Mas com o projeto, as coisas começam mudar aos poucos. “Quando fui alcançado pelo projeto, tive vontade de largar a droga. Depois pedi para meu pai trancar-me no meu quarto. Lá dentro, eu tinha crises muito fortes”, declara P.H. Atualmente, dos quatro jovens resgatados, dois deles já são líderes na Igreja Videira.
Quando não conhecemos, a impressão que se tem é que lá encontram-se pessoas armadas, com facas, mas, acompanhando eles percebemos que são apenas vítimas do vício”, ressalta o líder do projeto,  o  jornalista Weberson Dias.
O histórico da Feirinha
Conforme a matéria, “a Vila Feirinha, conhecida desde a década de 90 pelo alto fluxo de pessoas que freqüentavam o lugar para realizar transações comerciais, hoje não passa de um local onde se reúnem todas as noites usuários e traficantes de crack, prostitutas a fim de manter um vício que tem se tornado uma mazela social.”
O local é um cartão postal da cidade, entrada de quem chega do  estado do Maranhão, mas foi esquecido pelo poder público, e hoje é formado por ruas estreitas e escuras, sem saneamento básico.  Existe um projeto do atual governo  de restauração para a Feirinha, porém não existe os recursos. Já a promessa é  renovada  as vezes, próximo às eleições.
Fonte: Araguaina Noticias
(Com informações do Aragauína Gospel)